sábado, 29 de setembro de 2012

Charles Haddon Spurgeon (1834-1892) - “O príncipe dos pregadores”



 
Ele é, sem sombra de dúvidas, o pregador mais citado de nossa época. Pastor, evangelista, mestre e mundialmente conhecido como o “príncipe dos pregadores”, Charles Haddon Spurgeon, mesmo mais de um século após sua morte, é aclamado como uma das mentes mais célebres da história cristã.Caracterizado pelo seu amor pela vida e pelo conhecimento, profundo entendimento das Escrituras e inúmeras ilustrações, impactou e ainda impacta inúmeras vidas no dia de hoje.
No período de inquisição na Espanha sob o reinado de Carlos V, onde mais de 18 mil cristãos foram perseguidos e mortos, muitos, temendo por suas vidas mudaram-se para outros países, especialmente a Inglaterra. Foi assim que a soberania de Deus moldou a trajetória da família Spurgeon. Os bisavós de Charles eram cristãos devotos, assim como seu avô paterno e seu pai, James. Praticamente criado pelo seus avós paternos, devido ao número elevado de irmãos e a condição precária de seus pais, o pequeno Charles teve sua vida influenciada desde a infância por esses grandes exemplos de fé e amor ao Senhor e à Sua Palavra. Tendo pastoreado a mesma igreja por 54 anos, o avô de Charles um dia declarou: “Não passei nem uma hora triste com a minha igreja depois que assumi o cargo de pastor”! Seu pai, James era também um amado pastor em Stambourne.
Com um desejo extraordinário pela leitura, Charles H. Spurgeon já era notável em pouca idade. Dentre seus títulos favoritos estavam “O Peregrino” de John Bunyan e “O Livro dos Mártires” de John Foxe, entre outros livros teológicos. É dito que, assim como Jesus, aos doze anos ele já era capaz de debater assuntos teológicos com anciões de seu tempo.
Embora criado em lar cristão, Charles ainda buscava um relacionamento íntimo e genuíno com Cristo. Por seis meses ele visitou igrejas e orou fervorosamente lutando contra a condenação devido a consciência de seu próprio pecado, até que certo dia, ao visitar uma igreja onde o pregador foi impedido de chegar ao culto devido a uma tempesta de neve, Charles viu um simples sapateiro levantar-se e ler: “Olhai para mim e sede salvos, todos os confins da terra” (Isaías 45:22). O sapateiro, inexperiente na arte de pregar apenas repetia a passagem e dizia: “Olhai! Não é necessário levantar um pé, nem um dedo. Não é neessario estudar em um colégio específico, ou contribuir com mil libras. Olhai para mim, e não para vós mesmos. Olhai para mim, pendurado na cruz, olhai para mim, morto e sepultado”. Em seguida, fixando os olhos em Charles, disse: “Moço, tu pareces ser miserável. Serás infeliz na vida e na morte se não obedeceres”. Então gritou ainda mais: “Moço, olha para Jesus! Olha agora”! O rapaz olhou e nunca mais parou de olhar para esse Jesus, por toda a sua vida.  
Logo após essa experiência real de conversão, Spurgeon, como é conhecido, começou a incansavelmente distribuir panfletos e ensinar crianças na escola dominical em Newmarket Cambridge. Ensinou a Palavra pela primeira vez aos 16 anos de idade na casa de uma família rural em Teversham, Inglaterra. Aos 18 anos já pastoreava a congregação de Waterbeach, uma pequena igreja distante da capital inglesa.
Apenas dois anos depois, Spurgeon foi convidado para até então, o maior desafio de sua vida, pastorear a Igreja Batista Park Street Chapel na região metropolitana de Londres. O desafio era grandioso, pois essa igreja havia sido outrora a igreja mais notável de toda Inglaterra e pastoreada pelo grande teólogo John Gill. Que chances teria um jovem do campo sem educação religiosa formal diante de uma igreja que agonizava pela sua sobrevivência?
Spurgeon porém aceitou o desafio em 28 de Abril de 1854, convicto de que era a vontade de Deus para sua vida, e passou então a pastorear uma igreja com pouco mais de 100 pessoas. Seria um bom número, não fosse o suntuoso templo suficiente para acomodar cerca de 1200 pessoas. Esse fato é comentado pelo próprio Spurgeon: “No início, eu pregava somente a um punhado de ouvintes. Contudo, não me esqueço da insistência das suas orações. Às vezes pareciam que rogavam até verem realmente presente o anjo do Concerto (Cristo), querendo abençoá-los. Mais que uma vez nos admiramos com a solenidade das orações até alcançarmos quietude, enquando o poder do Senhor nos sobrevinha… Assim desceu a benção, a casa se encheu de ouvintes e foram salvas dezenas de almas”! Spurgeon perseverou em ensinar-lhes a Palavra e ao pregar o Evangelho e semanalmente Deus adicionava aos que eram salvos.
Aos 20 anos, Spurgeon já havia pregado mais de 600 mensagens, e em poucos meses, multidões ajuntavam-se para ouvir o jovem Charles, ao ponto que muitos tinham de permanecer para fora esperando colher algumas “migalhas” do que vinha de dentro do templo, ao passo que o local já não mais os comportava. Começou-se então uma reforma de expansão do templo da Park Street Chapel. Em meio a expansão do local, a igreja passou então a reunir-se no Exeter Hall, pátio que tinha acomodações para quatro mil e quinhentos ouvintes.
Ao retornarem para a Chapel após a reforma, ao invés de ter uma solução, alcançaram um problema maior, pois agora tinham 3 mil pessoas em um local que comportava apenas mil e quintenas. Decidem então voltar para o Exeter Hall que por sua vez também já não se mostra suficiente. Spurgeon toma então uma decisão radical, muda a igreja para o Surrey Music Hall, o local mais amplo, suntuoso, e magnífico de toda Londres, acomodando 10 mil pessoas em seu culto de inauguração. Este novo local comportava o máximo de 12 mil pessoas. Foi após esses episódios, que finalmente decidiram por construir o grande Tabernáculo Metropolitano, igreja que pastoreou por quase toda sua vida. Spurgeon, em pouco tempo, tornou-se um figura célebre ao redor do mundo, reconhecido como uma das mentes mais brilhantes de sua época, sendo convidado para ensinar em vários países tendo um média de 8 a 12 mensagens por semana.
Durante certo período, ensinou por 300 vezes em doze meses. O maior auditório no qual pregou, foi no Crystal Palace, Londres, em 7 de outubro de 1857. O número da audiência era por volta de 23.650 pessoas. Spurgeon esforçou-se tanto nessa pcasião, e o cansaço foi tamanho, que após o sermão da noite de quarta-feira, dormiu até a manhã de sexta-feira. As multidões acumulavam-se para ouvi-lo ao ponto que certa vez teve que rogar áqueles que tivessem ouvido a Palavra nos últimos três meses, que não comparecessem mais, dando assim chance aos irmãos que ainda não tinham ouvido.
Em 8 de Janeiro de 1855 casa-se com Susanan Thompson, seu amor e inspiração por toda a vida.
Ao olhar para a vida de Charles Spurgeon, as histórias e números são impressionantes, porém, talvez o que mais nos marca em sua biografia é sua diponibilidade em servir ao Senhor de todo o coração mesmo em meio a adversidade. Certa vez ao falar sobre pregar através da adversidade disse: “Quando nosso coração está despedaçado, devemos então trabalhar com um instrumento quebrado”. Ele poderia proferir essas palavras com autoridade, uma vez que dor e sofrimento foram companheiros inseparáveis de sua vida e ministério. Certa vez, porém, declarou: “Se por trabalho excessivo morrermos, sem ter alcançado a idade média da população, servindo ao Mestre, glória seja a Deus, pois teremos tão menos da terra e tão mais do céu”.

Spurgeon lutou por anos contra três diferentes doenças crônicas que constantemente o debilitavam e até o impediam de estar aos domingos no púlpito do Tabernáculo Metropolitano. Nos últimos 22 anos de sua vida e ministério, Spurgeon perdeu um terço de seus compromissos com sua igreja, devido às suas doenças.
Em 1869 Susanah passou por uma cirurgia mal-sucedida que a tornou parcialmente incapaz, fazendo com que nos próximos anos, pudesse assistir apenas a alguns dos sermões de seu marido. Pais de gêmeos, juntos foram capazes de fazer coisas grandiosas e outrora impensáveis para o Reino de Deus. Aos 50 anos de idade, Spurgeon havia sido reponsável pela fundação e supervisão de cerca de 66 instituições incluindo igrejas, escolas, seminários, orfanatos, escolas de pastores, revistas mensais e editoras. Pastoreava uma igreja de milhares de pessoas, respondia uma média de 500 cartas semanalmente, lia 6 livros teológicos por semana, e isso, dizia ele, representava apenas metade de suas tarefas. Até o fim de sua vida, Charles Spurgeon ainda foi capaz de deixar uma obra de 135 livros, incluindo a aclamada série de comentários em Salmos, “O Tesouro de Davi”.
Algo fundamental na vida de Spurgeon, era sua dedicação à oração. Quando alguém perguntava a explicação do poder da sua pregação e ministério, o Príncipe de Joelhos, como também era conhecido, apontava para o salão situado abaixo do Tabernáculo Metropolitano e dizia: “Na sala que está embaixo, há trezentos cristãos que sabem orar. Todas as vezes que prego, eles se reúnem ali para sustentar-me as mãos, orando e suplicando ininterruptamente. Na sala que está sob os nossos pés é que se encontra a explicação do mistério dessas bençãos”.
Sua eposa Susanah constantemente citava o quanto seu marido valorizava a oração, e como não abria mão de seus 30 minutos de oração antes de todo sermão pregado. J.P.Fruit disse: “Quando Spurgeon orava, parecia que Jesus estava em pé ao seu lado”.
Em 7 de Junho de 1891 ensinou pela última vez. Suas últimas palavras, no leito de morte, dirigidas à sua esposa, foram: Oh, querida, tenho desfrutado um tempo mui glorioso com meu Senhor! Ela, ao ver, por fim, que seu marido seria levado aos céus, caiu de joelhos e com lágrimas exclamou: “Oh, bendito Senhor Jesus, eu te agradeço o tesouro que me emprestaste no decurso destes anos; agora Senhor, dá-me força e direção durante todo o futuro”. Spurgeon “adormeceu” em Menton, França em 31 de Janeiro de 1892.
Seis mil pessoas assistiram ao culto de funeral, onde no caixão uma bíblia estava aberta no texto que dizia: Olhai para mim, e sede salvos, todos os confins da terra. Em seu simples túmulo, estavam gravadas as palavras: Aqui jaz o corpo de CHARLES HADDON SPURGEON, esperando o aparecimento do seu Senhor e Salvador JESUS CRISTO.
Em sua morte, vemos a mesma realidade de sua vida, um grande testemunho à glória do Senhor Jesus!!!

Diego Bitencourt

Alguns dos trabalhos escritos mais conhecidos de Charles Haddon Spurgeon

  • New Park Street Pulpit Volums and Metropolitan Tabernacle Pulpit Volums — 63 volumes de sermões publicados por Spurgeon pela Alabaster & Passmore, de 1855 a 1917, divididos em duas grandes seções (NPSPV de 1855 a 1861, e MTPV de 1861 a 1917)

 

  • All of Grace — editado em português sob o título Tudo pela Graça
  • Miracles and Parables of Our Lord — três volumes

 
  • The Clue of Mazen — livro escrito por Spurgeon em Menton, sul da França, sobre a fé e a dúvida, em português publicado como "A Dica do Labirinto"

 
  • Spurgeon’s Morning and Evening — livro de leituras devocionais diárias
 
  • The Sword and The Trowel — revista mensal editada por Spurgeon
 
  • The Treasury of David — comentário em vários volumes sobre os Salmos

 
  • Around the Wicket Gate — Livros escrito como complemento ao All of Grace; publicado em português como Diante da Porta Estreita
 
  • Till He Come — sermões sobre a ceia do Senhor
 
  • A Puritan Catechism — uma compilação feita por Spurgeon em 1855 usando as Confissões de Fé Batista de 1689 e a Confissão de Fé de Westminster
 
  • Come, ye children — sermões sobre a evangelização infantil e as escolas dominicais
 
  • Faith's Checkbook — Devocionário escrito na época na Controvérsia do Declínio

 
Compartilhar:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI

CONHEÇA OS LIVROS DO PR. RICARDO CASTRO

TRANSLATE

HELP US

HELP US

Seguidores

Total de visualizações

ONLINE AGORA

Tecnologia do Blogger.

Pastor Ricardo Castro

Minha foto
João Pessoa, Paraíba, Brazil
Pastor Fundador da Igreja Bíblica Vida Eterna (IBVE) na cidade de João Pessoa/PB. Músico, escritor e Teólogo, Casado com a Missionária Sulamita Castro e Pai de Nathan Castro e Ricardo Castro Jr (Ambos Músicos). Tocou em diversas bandas gospel (Aliança, Força e Louvor, Exodus, Mount Hermon, Plena Virtude). Hoje é Produtor e Maneger da Banda Gospel Pacto 7, a qual seus filhos fazem parte. Contato: Email: ricardo.castro828@gmail.com -Fones: (83) 98820-2712 *** (83) 3238-2712

BAIXE ESTE LIVRO AGORA

PEDIDO DE ORAÇÃO

Nome

E-mail *

Mensagem *

CLIQUE AQUI E CONHEÇA NOSSA IGREJA

SIGA-NOS POR EMAIL

PRA. SULAMITA & PR. RICARDO CASTRO

PRA. SULAMITA & PR. RICARDO CASTRO

POSTAGENS

NOTÍCIAS GOSPEL

SLIDE SHOW

PastorRicardo_Castro_Ibve's  album on Photobucket

CONHEÇA MEU LIVRO